Semana Santa
de Braga
©Semana Santa Braga. Todos os direitos reservados.

Semana Santa de Braga - Uma história gráfica, no Braga Parque


Mantendo a tradição de mais de uma década, o Braga Parque volta a apoiar a Semana Santa de Braga, tendo sido oficialmente “Declarada de Interesse para o Turismo” a 23 de novembro de 2011. Este evento envolve a comunidade bracarense num ambiente e vivência muito particulares, apelando às raízes cristãs que acompanharam a história da própria cidade.

 

O Braga Parque, devido à sua forte relação com a comunidade local e com os costumes e tradições da cidade, patrocina a Semana Santa de Braga, nomeadamente o mais importante concerto na Sé Catedral – Coro da Sé Catedral do Portoz, com orquestra e solistas: “O Gólgotha”, de Frank Martin (1840-1974) no dia 31 de março às 21h30.

 

Este ano, o Braga Parque receberá ainda uma exposição única de cartazes da Semana Santa desde 1948 – “Semana Santa de Braga- Uma história gráfica“, de 20 de março a 10 de abril.

 

Trata-se de uma criteriosa selecção dos 39 cartazes mais emblemáticos deste evento, gentilmente cedidos pela Biblioteca Pública de Braga e pela Comissão da Semana Santa, dos quais foram feitas réplicas. A exposição, organizada pelo Braga Parque, mostra-nos a beleza e evolução da comunicação da Semana Santa, marcando cada época pelas escolhas dos tons e dos materiais de impressão. Apesar da procissão com mais antigo registo da Semana Santa de Braga ser a Procissão das Endoenças, que detém notícias desde 1628, a história gráfica do evento apenas de iniciou em 1948, com a conceção do primeiro cartaz registado das celebrações.

 

A partir dessa data surge um número significativo de imagens ilustradas com o objetivo de anunciar e promover a edição anual das Solenidades da Semana Santa. A exposição do Braga Parque, “Semana Santa de Braga- Uma história gráfica“, mostra-nos vários detalhes como a escolha do roxo e do negro como tonalidades dominantes, o farricoco como o elemento iconográfico mais utilizado nos sucessivos cartazes, ou a cruz, também elemento primordial de representação.

 

Uma exposição a não perder que irá desvendar mais um pouco da história da cidade de Braga.