Semana Santa
de Braga
©Semana Santa Braga. Todos os direitos reservados.

Semana Santa de Braga já tem programa e imagem para 2017

Foi hoje apresentado, pelas 14:30h, o programa oficial e o cartaz relativos à Quaresma e Semana Santa de Braga do corrente ano. A apresentação ocorreu na sala do cabido da Sé Catedral de Braga, presidida pelo presidente da Comissão da Quaresma e Solenidades da Semana Santa de Braga, Rev. Cónego Luis Miguel Figueiredo Rodrigues.

 

Presentes estavam ainda o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Braga, dr. Bernardo Reis; provedor da Irmandade de Santa Cruz, dr. Luis Rufo; presidente da Câmara Municipal de Braga, dr. Ricardo Rio; presidente da Comissão, Rev. Cónego Luis Miguel Figueiredo Rodrigues; o representante da entidade regional de turismo Porto e Norte de Portugal, dr. Marco Sousa; presidente da Associação Comercial de Braga, dr. Domingos Macedo Barbosa; presidente da Associação Industrial do Minho, dr. António Marques, bem assim como alguns outros dos membros da Comissão.

 

Na altura, o presidente da Comissão referiu que as comemorações da Quaresma e Semana Santa, em 2017, voltarão a encher a cidade de Braga de turistas e transeuntes que nos vêm visitar para participar no modo único como vivemos estes tempos, ricos de significado e densos de tradições. Estas, mais do que revivalismos ou recriações históricas, e assumindo a sua matriz judaico-cristã, são a expressão de um povo que se percebe, se diz e se revê num acontecimento fundante: a morte e ressurreição de Jesus Cristo, e que continua a reconhecer a pertinência da sua mensagem nos dias de hoje.

 

É esta a mensagem que a Comissão pretende fazer passar com o cartaz deste ano. Nele, entrevê-se a imagem de Cristo, não morto, mas vivo! Bela conceção da agência criativa Pi Creative Studio, de Braga, é inspirada numa passagem de Mateus 27, 50-51:

 

“50 De novo bradou Jesus com grande voz, e entregou o espírito.
51 E eis que o véu do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo; a terra tremeu, as pedras se fenderam”

 

O véu do Templo de Jerusalém separava o “santo dos santos”, o lugar mais sagrado do santuário, onde somente o sumo sacerdote entrava e tinha acesso à presença de Deus. Entretanto, esta separação foi anulada com a morte de Jesus e a sua ressurreição dos mortos. O acesso à salvação já não era apenas de alguns poucos eleitos, mas todos podiam aceder à vida nova em Cristo.

 

Pormenor e porventura até novidade também no cartaz são os tons mais claros, longe dos habituais tons roxo e preto. O branco simboliza a ressurreição de Cristo, cor aliás associada aos dias festivos da Igreja, como a Páscoa, afinal, fim último destas comemorações.

 

Mas não podemos deixar de referir que a Quaresma e Semana Santa, sendo um acontecimento de origem religiosa, gera inúmeras sinergias na Cidade e na região que atualmente ultrapassa, e muito, esta circunscrição. É o reconhecimento do papel que a fé cristã tem na construção da nossa identidade cultural, muito para além de credos e crenças. É dentro deste quadro que nos situamos ao falarmos da Semana Santa em Braga como um acontecimento religioso, que tem implicações culturais e económicas nos diversos setores da sociedade. Pelo que, no fundo, o que estamos aqui a procurar é a realização de um serviço de qualidade à população, que visa a promoção de uma maior e melhor vivência dos tempos que nos levam até à Páscoa. É assim que, uma vez mais, e para além da componente religiosa (quer nas celebrações litúrgicas, quer nas manifestações de cariz mais popular, como sejam as vias sacras, cortejos e procissões), a Comissão se empenhou em preparar um programa cultural rico e diversificado, e que pode ser consultado nos materiais distribuídos.

 

Para que isto seja possível, diversas instituições trabalham em harmonia para promoverem serviços de qualidade às populações que servem. Não será de mais relembrar que a Comissão da Quaresma e Semana Santa de Braga é composta pelo Cabido da Sé de Braga, Santa Casa da Misericórdia de Braga, Irmandade de Santa Cruz, Câmara Municipal de Braga, Entidade do Turismo Porto e Norte, e Associação Comercial de Braga. E este ano conta ainda com a integração da Associação Industrial do Minho. A estas entidades, que têm os seus representantes na Comissão, acresce ainda um número de cidadãos que, a título individual, dão o seu contributo, o seu saber e o seu entusiasmo para que Semana Santa seja aquilo a que já nos habitamos.

 

Relembramos aqui que a Semana Santa de Braga possui o título, (já desde 2011 e aliás o primeiro concedido em Portugal) de “Interesse para o Turismo”, outorgado pelo Turismo de Portugal. Mas entendemos que este património é de todos e valioso demais para ficar por aqui. Assim, e atualizando a informação que tivemos oportunidade de avançar o ano transato, a Comissão informa que o processo de candidatura a Património Imaterial de Portugal, está terminado. Isto é, depois de 14 meses de aturado trabalho na sua preparação, a candidatura foi já submetida na plataforma da Direção Geral do Património Cultural. Segue-se um período de 30 dias de avaliação da candidatura e 120 dias de consulta pública. Findo o qual será anunciada a integração na Lista do Inventário Nacional do Património Cultural e Imaterial.