4º Domingo da Quaresma – Procissão dos Passos em FIGUEIREDO e REAL

22 de março, domingo, 15h00  |  Figueiredo e Real

Procissão dos Passos no concelho de Braga:

Sendo uma das manifestações devocionais mais repetidas em Portugal, a Procissão dos Passos, além da ocorrência na cidade de Braga no Domingo de Ramos, regista outros cerimoniais do mesmo género no território bracarense.

Neste terceiro domingo da Quaresma, ocorrem procissões nas freguesias de Figueiredo e Real.

 

– Organização da Irmandade Santa Cruz –

3º Domingo da Quaresma – Procissão dos Passos em CABREIROS e CRESPOS

15 de março, domingo  | Cabreiros

Procissão dos Passos no concelho de Braga:

Sendo uma das manifestações devocionais mais repetidas em Portugal, a Procissão dos Passos, além da ocorrência na cidade de Braga no Domingo de Ramos, regista outros cerimoniais do mesmo género no território bracarense.

Neste terceiro domingo da Quaresma, ocorre procissão na freguesia de Cabreiros.

 

 

– Organização das respetivas comissões organizadoras –

Missa e Imposição das Cinzas

26 de fevereiro, quarta-feira, 21h30  |  Sé Catedral

Celebração da eucaristia.

Coincide com o dia seguinte à terça-feira de Carnaval e é o primeiro dos 40 dias (Quaresma) entre essa terça-feira e a sexta-feira Santa, anterior ao domingo de Páscoa. As cinzas utilizadas neste ritual provêm da queima dos ramos abençoados no Domingo de Ramos do ano anterior. A estas cinzas mistura-se água benta. De acordo com a tradição, o celebrante desta cerimónia utiliza essas cinzas húmidas para sinalizar uma cruz na fronte de cada fiel, proferindo a frase “Lembra-te que és pó e que ao pó voltarás” ou a frase “Convertei-vos e crede no Evangelho”.

Início da Quaresma.

Abertura do Lausperene Quaresmal

26 de fevereiro, quarta-feira de Cinzas, 8h30  |  Sé Catedral

 

 

O Lausperene Quaresmal da cidade de Braga, delimitado pela Quarta-Feira de Cinzas e pela Quinta-Feira Santa, é uma das mais peculiares manifestações da devoção eucarística. Anualmente replicado num itinerário com vinte e três etapas agendadas nos principais e mais emblemáticos espaços de culto da zona urbana, é uma prática que já ultrapassou os três séculos de existência. É durante o Lausperene Quaresmal – e apenas neste momento do calendário – que muitas destas igrejas abrem as suas artísticas tribunas ou que utilizam uma parte das suas porcelanas, damascos e ourivesarias, atingindo um peculiar esplendor. Nasceu por iniciativa do Arcebispo D. Rodrigo de Moura Telles em 1710 e desde aí nunca mais cessou de marcar presença no quotidiano dos bracarenses.

5º Domingo da Quaresma – Procissão dos Passos em Celeirós

7 de abril, domingo, 15h00  |  Celeirós

Procissão dos Passos no concelho de Braga:

Sendo uma das manifestações devocionais mais repetidas em Portugal, a Procissão dos Passos, além da ocorrência na cidade de Braga no Domingo de Ramos, regista outros cerimoniais do mesmo género no território bracarense.

Neste quinto domingo da Quaresma, ocorre uma procissão na freguesia de Celeirós.

 

– Organização da respetiva comissão organizadora –

4º Domingo da Quaresma – Procissão dos Passos

31 de março, domingo, 15h00  |  Figueiredo e Real

Procissão dos Passos no concelho de Braga:

Sendo uma das manifestações devocionais mais repetidas em Portugal, a Procissão dos Passos, além da ocorrência na cidade de Braga no Domingo de Ramos, regista outros cerimoniais do mesmo género no território bracarense.

 

 

– Organização da Irmandade Santa Cruz –

Abertura do Lausperene Quaresmal

6 de março, quarta-feira de Cinzas, 8h30  |  Sé Catedral

 

 

O Lausperene Quaresmal da cidade de Braga, delimitado pela Quarta-Feira de Cinzas e pela Quinta-Feira Santa, é uma das mais peculiares manifestações da devoção eucarística. Anualmente replicado num itinerário com vinte e três etapas agendadas nos principais e mais emblemáticos espaços de culto da zona urbana, é uma prática que já ultrapassou os três séculos de existência. É durante o Lausperene Quaresmal – e apenas neste momento do calendário – que muitas destas igrejas abrem as suas artísticas tribunas ou que utilizam uma parte das suas porcelanas, damascos e ourivesarias, atingindo um peculiar esplendor. Nasceu por iniciativa do Arcebispo D. Rodrigo de Moura Telles em 1710 e desde aí nunca mais cessou de marcar presença no quotidiano dos bracarenses.